brand-top

Terça, 17/08/2021

69 – Conhecendo o Hike and Fly

Abordamos um tema que une duas atividades que agradam amantes das atividades de contato com a natureza: vamos descobrir o...

69 – Conhecendo o Hike and Fly

Compartilhe

  1. Você gostar de voar?
  2. Você gosta de escalar ou de fazer trilhas?
  3. Quanto custa praticar esse esporte?
  4. Quais os maiores riscos da atividade?

O Hike and Fly é aventura para todos os gostos

Pegar uma trilha no meio do mato, subir por paredões de pedra enormes e quando chegar ao topo da montanha… PULAR. Incrível, não acha?

Na verdade, “a definição de Hike and Fly vai além da técnica, é psicológica” [meu Hike and Fly, minhas regras]. São com essas palavras que nossos convidados se aprofundam nos conceitos e informações sobre a atividade deste episódio.

No entanto, explicamos que o termo correto entre os profissionais de parapentes: Não é “pular”. É “saltar”.

Da mesma forma, aprendemos com este episódio do podcast Natrilha sobre a diferença entre parapente e paraquedas, conceitos que geraram dúvidas na hora de explicar alguma dessas atividades esportivas.

Paraquedas é exclusivo para deter sua queda. Parece óbvio, mas não quando você conhece o conceito de parapente: juntando-se ao fato de deter a queda, ele também exerce uma função de fazer a pessoa planar nas alturas “pelo máximo de tempo possível”, nas palavras do nosso convidado Alê Silva.

Paraglider, um dos tipos de parapente, é um dos acessórios fundamentais para realização do Hike and Fly.

Significado

Traduzido do inglês, a expressão que virou esporte, significa “caminhar e voar”, mas mostramos que este esporte super ecológico é muito mais do que isso. Abordamos um tema que une duas atividades que agradam qualquer amante das atividades esportivas de contato com a natureza: Vôo livre e o montanhismo. São duas atividades com muitos adeptos e que a partir delas, vamos descobrir o que é o Hike and Fly.

Leandro Montoya, um dos convidados participantes do episódio, foi bem objetivo na descrição sobre o que é Hike and Fly: “O básico do Hike and Fly é você acessar a rampa se você não chega de carro”.

Alê Silva completa e diz que tem gente que “acha que está fazendo Hike and Fly” e abre a provocação: “você está fazendo a atividade de maneira correta? Distâncias mínimas, saltos, recordes, categorias, acrobacias, limitações…” ouça agora para se aprofundar nos conceitos analisados pelos especialistas convidados.

Crescimento de mercado e comunidades

“Não existe agência que venda roteiros de Hike and Fly” – Alê Silva.

Uma coisa é inegável: A cada dia que passa, crescem os adeptos ao seguimento dessa atividade ao ar livre. De um lado, pela aventura extra que cada praticante pode agregar no seu roteiro. Aliás, se você já está com o pé na trilha, não custa explorar, não é mesmo? Por outro lado, diante do crescimento das comunidades, a popularidade aumenta e consequentemente o mercado aquece.

São incontáveis os serviços e produtos que gritam por investidores. Um nicho de mercado favorável, ecologicamente correto e um verdadeiro “prato cheio” para campanhas publicitárias positivas sobre sustentabilidade. Assunto muito explorado na atualidade.

Modalidade de atividade amiga da natureza que, apesar de jovem, segue em contínuo crescimento. É um dos esportes que comprovam a intensa organização, que sobe com a maré desses novos adeptos profissionais, é o compartilhamento das experiências de risco que cada praticante experimentou em suas jornadas.

Esportes de aventura estão sujeitos de riscos e, apesar desse fator ser fundamental para atrair curiosos, é importante prevenir incidentes com instrução e informação.

Desta forma, a troca de ideias, os relatos detalhados sobre os imprevistos e qualquer forma de conhecer, cada vez mais, os perigos que circundam a atividade, são prova do crescimento da organização das comunidades desta modalidade.

Uma curiosidade é relacionada ao “voo duplo”, aquela situação em que duas pessoas dividem o mesmo equipamento: Uma vez que a prática comercial é proibida, se não houver transação comercial entre os praticantes, a prática torna-se legal. Significa dizer que você pode convidar ou ser convidado por um amigo para planar nas alturas, desde que nenhum dos dois tenha algum lucro financeiro sobre isso.

Porém é recomendado que se faça um curso de voo livre. Isso te dará mais liberdade, propriedade e informações para realizar suas atividades de aventura.

Depois de todas essas informações exclusivas para você, contamos com seu apoio em nossas redes sociais. Não custa nada, é de graça. Um segundinho só! Abre o Instagram e deixa UM comentário. Só um. Desta forma você ajuda o Natrilha a criar cada vez mais conteúdos e trazer mais convidados para seguirmos na evolução das atividades de aventura.

 


Participe conosco

  • Para colaborar com o crescimento do nosso podcast, compartilhe esse post ou o episódio nas redes sociais e grupos de mensagens. Fazendo-o pelo instagram, marque nosso perfil @natrilhapc e use a tag #natrilheiros Assim fica mais fácil de te achar e interagir contigo, ok?
  • Quer completar alguma coisa? Tem sugestão de temas? Manda um e-mail pra gente. Vale até uma selfie.
  • Lembre-se: Use a tag #NATRILHEIROS para acharmos suas postagens nas redes sociais.
  • Diz pra gente de onde você é, sua idade e qual esporte (ou atividade) você pratica (ou não).


Participantes do programa de hoje:


Comentado durante o episódio:

Ranking de Pilotos

YouTube Advanced Paragliders

Novas Rampas de voo

Equipamentos de Voo livre


Colabore com o Natrilha

Contribua com o Natrilha pelo PicPay.

Contribua com o Natrilha pelo Padrim.


Padrinhos e Madrinhas (separados por categorias):

Guia de Aventura: João Alberto Binda

Destemidos Filipe Careli, Marcelo Sobata, Thiago Waldhelm.

Desbravadores João Olavo Vasconcelos.


Busque o Natrilha nos agregadores:

Natrilha no Deezer – Clique aqui

Natrilha no Spotify – Clique aqui


Grupo Telegram do Natrilha. Acesse e participe:

Entrar no Grupo Telegram – Natrilha


Nosso e-mail: natrilhapc@gmail.com

Edição: Senhor A e Renan Cirilo

Revisão: Redi Siqueira